Total de visualizações de página

domingo, 18 de fevereiro de 2018

RECARREGANDO AS BATERIAS.



Passei os últimos dias totalmente desconectado do trabalho e acessei a internet só para me comunicar com minha esposa e ver se havia algum e-mail urgente. Nem meus pequenos cadernos de desenho (que eu chamo de "crazy sketchbooks") que geralmente eu levo a lugares longe do meu estúdio eu quis contato. Tudo isto para fazer uma visita à minha mãe e meus dois irmãos que moram em Brasília. Descansar a cabeça da rotina diária era tudo que eu precisava ainda que por um breve tempo. Estar com minha mãe foi uma benção que pedi a Deus a muitos meses e as preces foram atendidas. Nem preciso dizer o quanto valeu. Mal liguei a televisão por lá, ouvia falar do Carnaval só por alto.

Foi muito bom rever Brasília, seus prédios deitados, suas árvores, seu verde, seu céu de nuvens baixas, mas tudo me soa como se a cidade fosse uma mulher por quem sempre fui apaixonado e ela tivesse me esquecido para sempre.

Recebi visita do meu old pal Luca Fiuza e do Nestablo Ramos Neto, grande artista e companheiro de mais de 20 anos. Foi bom revê-los e falar sobre os velhos tempos já que os atuais tem se mostrado difícil para todos - seria a crise do país ou a idade que já pesa sobre nossos ombros? - assuntos sobre filmes, quadrinhos, literatura, séries e nossos trabalhos pontuaram estas conversas.

André Araújo, um médico pediatra, amigo e admirador do meu trabalho me convidou à casa dele e fui com gosto pois a coleção de quadrinhos dele prometia ser grande e eu não me decepcionei. Fui carinhosamente recebido por ele e sua família. Passamos algumas horas falando sobre o assunto que nos unia: HQs e coisas afins. Conferis os gibis raros dele, estatuetas e muitos book arts. Para checar todo o acervo eu precisaria de muito mais tempo e eu tinha que voltar para casa para fazer as malas e retornar a Pernambuco.

Ele quis tirar umas fotos para registrar o encontro e aqui estão.


Voltei e ainda me sinto preguiçoso, retorno às artes aos poucos e tenho muita coisa a fazer, felizmente.

Mas me sinto estranho, cada vez mais como se eu não tivesse pátria, como se não pertencesse a nada nem a lugar algum.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

AMARRANDO O BURRO COMO O DONO DO BURRO MANDA.


Não estou em casa e uso um computador alheio, o teclado é um tanto diferente por isto me atrapalho um pouco para digitar. Mas tudo bem, a postagem será breve.

Recentemente trabalhei em uma encomenda para um cliente dos EUA. Sabem essas figuras antropomórficas grotescamente musculosas que costumam adornar as paredes de academias de musculação e também camisetas dos entusiastas da cultura física? Não? Bem, não faz mal, a arte que executei, ilustrada neste post, mostra a que me refiro.

O primeiro esboço que fiz do personagem, apesar de exageradamente grande, ainda ostentava uma certa elegância. Qual o quê, a cada mostra o cliente pedia para eu aumentar o volume muscular e também a vascularização (postei os sketches a umas duas semanas atrás, lembram?). Cheguei a pensar que a cabeça ia sumir em meio a tantos músculos. Por fim ele deu sinal verde e pude pintar.

Eu até cheguei a gostar do resultado. Recebi pelo serviço e a arte está a caminho dos states.

Um abraço afetuoso e apertado a todos.




domingo, 4 de fevereiro de 2018

UM NOVO ZÉ GATÃO QUE MOROSAMENTE VAI GANHANDO FÔLEGO.



Nasci em São Paulo no ano de 1962. Meus primeiros anos de vida foram vividos com meus avós maternos pois meus pais, sem uma casa, ainda lutavam duro pra nos trazer o sustento a cada quinze, vinte dias.
Meu avô veio de Strasburgo (França) logo depois da primeira guerra e se estabeleceu no interior paulista construindo casas. A lembrança que tenho dele é que era calado e rude com minha avó. Esta por sua vez não perdia a oportunidade de me castigar com surras fosse pelo que fosse. Ela tinha a mania de frequentar velórios e eu sempre era levado junto. A morte, parece, sempre me acompanhou de perto. Mesmo assim eu amava esta avó com amor incondicional.
Meu pai também se revelou um pesadelo assim que fui morar com ele. Por tudo isso, eu penso, me tornei arredio e tímido, com grande dificuldade de me adaptar em qualquer meio. Na infância os valentões (sempre eles) eram como cardos dentro dos sapatos. Eu odiava a escola. Meus primos diziam que eu era baixinho e feio. Vivia apanhando dos professores e dos meninos mais velhos. Eu nunca dizia nada em casa. Achava que estava sozinho no mundo.

As histórias em quadrinhos entraram cedo em minha existência e foi ali que descobri uma forma de escapar da vida. As primeiras edições que tive acesso foram as HQs da Disney e do Maurício de Souza. Não tardou para chegar às minhas mãos as publicações da Ebal, uma editora maravilhosa que nos trazia Tarzan (o meu preferido), Lone Ranger, Cisco Kid, do argentino José Luis Salinas, Príncipe Valente, de hal Foster, Jim das Selvas e Flash Gordon de Alex Raymond, além dos heróis da Marvel e DC. Isso sem falar das publicações da Globo, a maior concorrente da Ebal, com histórias do Spirit, Fantasma, Mandrake, Dick Tracy, Sobrinhos do Capitão e muitos outros. Não sei qual editora publicava Riquinho, Tininha, Bolota e Brotoeja, mas eu devorava esses gibis, juntamente com Gasparzinho e Brazinha. Sim, claro, Luluzinha e Bolinha!

Claro que eu nunca tinha dinheiro para comprar isto, eu lia na maioria das vezes na cara dura na própria banca de jornal no centro velho de São Paulo ou quando alguém menos cruel se dispunha a me emprestar.

Com Tintim (que eu lia numa biblioteca pública) eu viajava o mundo e até ia para a lua, então surgiu o terror da Kripta e não muito depois os mundos fantásticos da Metal Hurlant. Eu me divertia com Mortadelo e Salaminho, Asterix e Mad (sempre lendo as edições dos poucos amigos que tive).

Talvez por não morar em São Paulo eu não tive acesso ao que era produzido no Brasil com suas HQs de terror e sexo. As edições da Spektro e Calafrio eu só vim conhecer melhor nos fins dos anos 80.

Isso tudo, acredito, me incentivou a desenhar, mas eu fazia coisas só para mim mesmo e uns pouquíssimos companheiros de escola, nunca me imaginei fazendo disso uma profissão, acho que por esta razão eu nunca me preocupei em me lapidar cedo, buscar recursos, desenhar melhor, eu comecei muito tarde nisto tudo.

Foi nos tormentos da vida no Rio de Janeiro que passei a me preocupar com o que eu faria do meu futuro e foi na arte que encontrei um rumo. Eu comecei a ter melhor noção de anatomia, luz e sombra, dobras de tecido, reproduzindo a lápis modelos de revistas de moda e maquiagem. Em contrapartida nunca me preocupei com perspectiva (algo que ainda hoje me dá dor de cabeça), prédios, carros e essas coisas. Nunca tive paciência para desenhar instrumentos musicais, móveis, mesas e cadeiras. No estúdio do Edgar Cognat esta paciência teve que ser duramente desenvolvida, eu precisava de disciplina e ali encontrei alguma. Mas não durou muito.

Tive meus momentos de "artista" trabalhando no SENAC em Brasília, mas foi quando finalmente eu regressei a São Paulo e me dar conta de que haviam quadrinistas talentosos que me senti desafiado a ser melhor do que eu pensava que eu era. Foi um duro caminho. E para cada um artista gente fina que eu encontrava (Arthur Garcia, João Pacheco, Franco de Rosa) eu me esbarrava com um bando de prepotentes que se achavam deuses. Com o passar do tempo vi que isso não se limitava só aos desenhistas, mas também editores e jornalistas especializados no assunto.

Mesmo com isso me retraindo eu procurei fazer meus quadrinhos nas frias madrugadas paulistas (neste tempo já influenciado pelo underground europeu - tá, um pouco de americano também, Crumb, por exemplo) sempre tentando aprimorar minhas narrativas.


Terminei meu último Zé Gatão (DAQUI PARA A ETERNIDADE) em 2003 e depois disso fiz umas poucas HQs curtas com o personagem e mais nada! Hoje, volto a trabalhar em uma nova aventura do felino nos meus intervalos de pagaluguel, tento fazer da mesma forma instintiva que fiz o meu primeiro álbum, tendo um texto como fio condutor e inventando pelo caminho, tentando me divertir e desabafar no processo criativo.
Nesta postagem, alguma cenas do que venho produzindo.


Vejo alguns programas no Youtube que falam sobre quadrinhos nacionais para me sentir antenado e noto que o que vem sendo publicado hoje é bem diferente do que eu lia na infância. Tudo tem veia de adulto, de autobiográfico, com desenho tosco, cartunizado. Não tenho vontade de ler.


No meio disso tudo sinto que não há publico e espaço para mim, mas mesmo assim eu vou fazendo um quadrinho hoje, outro na próxima semana, quando der. Um dia fica pronto. Talvez eu publique eu mesmo uma tiragem pequena para quem quiser ler.


Um fã me procurou para perguntar porque eu não compareço no FIQ ou na CCXP. Ele queria saber se eu sofria alguma perseguição por ser cristão e reaça de direita. Eu respondi a ele que não era isso, não, eu não era convidado pra esses lugares porque os organizadores não sabem que eu existo, nunca ouviram falar de mim e que isto não me importava. Não me sinto inserido neste mundo, não faço parte dele, nunca fiz. Os quadrinhos nacionais que são publicados hoje pelas editoras nada tem a ver com o que eu procuro fazer em Zé Gatão. Eu ainda sofro as influências de Corben, Wrigtson e Liberatore. Os atuais gibis tem muito pouco disso.


Será que nos encontramos na próxima semana? Deus sabe.
Beijos a todos!

     





















domingo, 28 de janeiro de 2018

ESBOÇOS APENAS.





Mais um dia sem tempo para escrever um texto como eu gostaria.


Tenho recebido umas encomendas de clientes americanos. Não é lá essa grana que eu gostaria mas ajuda a pagar as contas.


O difícil é acertar o tom das ilustrações. Vários esboços se fazem necessários até que o cliente aprove.


Até outro dia!

domingo, 21 de janeiro de 2018

A MARCA DO ZORRO.



Amadas e amados, boa noite!

Esta semana, enquanto trabalhava eu via um vídeo no Youtube falando sobre o atual cenário de quadrinhos nacionais e refleti um pouco a respeito, entretanto, dividir meus pensamentos com vocês terá que ficar para uma outra oportunidade (semana que vem, quem sabe?) pois não tive tempo de maturar um texto decente. Incrível como o tempo parece encolher a cada dia!

Um admirador do meu trabalho, de Brasília, me encomendou uma arte do Zorro, personagem que tive o maior prazer em executar, posto que foi uma das minhas alegrias na infância. Eu não perdia um único episódio quando passava na tv e devorei os poucos quadrinhos que me chegaram às mãos (detalhe, só recentemente eu fiquei sabendo que quem desenhava as aventuras do justiceiro mascarado era o brasileiro Walmir Amaral -  http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,walmir-amaral-o-eterno-heroi-da-era-de-ouro-dos-quadrinhos,1575794).

Evidentemente fizeram vários filmes com este herói, acho a versão com o Antônio Banderas muito decente, contudo, quem eternizou - pelo menos para mim - o vigilante no período que a Espanha colonizou aquela parte da América, foi o Guy Willians na década de 50, produção de Walt Disney. Ainda hoje uma série que não perdeu a força. Dom Diego (Zorro), Bernardo (o fiel ajudante mudo), Dom Alejandro, Sargento Garcia, Cabo Reis, Capitão Monastério, o magistrado, o misterioso Águia...fantástico! O tal de Batman deve ter aprendido com o Zorro a ser um playboy mulherengo e beberrão durante o dia e fazer justiça a noite.

Pra me inspirar assisti alguns episódios no Youtube e fui atrás da biografia do Guy Willians, que uns anos mais tarde seria o professor Robinson de Perdidos no Espaço. Inacreditável o fim que ele teve.

Minha homenagem a este grande herói que enterneceu a minha infância.


domingo, 14 de janeiro de 2018

ALGUNS FLASHES DO PASSADO (PARTE UM)


Muito da nostalgia que eu tinha cessou, não penso mais com tanta frequência no passado, nem faço mais tantos planos para o futuro, sinto-me como se futuro não tivesse, o presente me obriga a focar nele, somente nele, em sobreviver ao dia e agradecer a Deus por conseguir chegar ao seguinte. Mas hoje, por algum motivo eu me lembrei de um incidente acontecido numa noite qualquer da primeira metade da década de 80.
Rodrigo, o meu irmão caçula, ao desligar um fio de uma tomada, ficou agarrado ao mesmo levando um tremendo choque. Meu outro irmão, André (que hoje é médico), vendo-o naquela situação, chutou a tomada , arrancando o fio da fonte de energia. O pobre menino ficou com as mãos queimadas, cheias de bolhas; assim que soube do ocorrido eu o coloquei de "cavalinho" nas minhas costas e junto com minha mãe nos conduzimos até a emergência do Hospital de Base de Brasília, que ficava perto de nossa casa. Lá, ele foi bem atendido. Enquanto enfaixavam as mãos dele, vi deitado em uma maca, um cara sem camisa, só de bermuda, cheio de sangue e hematomas, o cara parecia sentir muita dor pois de quando em quando ele estrebuchava e gemia alto. Próximo a ele uma moça muito bonita e elegantemente vestida se mortificava. Perguntei a um auxiliar de enfermagem que passava por ali se ele sabia o que tinha acontecido com aquele moço. "Aquele cara? Ah, ele foi mexer com uma mulher acompanhada e o namorado dela, que é faixa preta de caratê, deu-lhe uma surra que o deixou neste estado, a bonitona ali é a noiva dele!" Fiquei boquiaberto com aquilo, eu pensei que ele havia sido atropelado! Mas na verdade não era uma surpresa, eu sabia que apenas nos filmes um cara leva um monte de porradas e só fica com um pequeno corte nos lábios e algumas escoriações.
Certa vez, uma cara que eu conheci, tinha a mania de se meter em brigas por bobagem, numa ocasião ele se defrontou com um cara quieto, de baixa estatura e jeitão de índio; o baixinho deu-lhe uma surra tão feia que o meu conhecido até cagou nas calças, foi difícil socorrê-lo devido ao cheiro.
Um outro, amigo de infância, a quem chamaremos de C, vivia se metendo em tretas, desafiava todo mundo, até a polícia, quando o pegavam fumando maconha. "A sua sorte é que você está do lado certo da arma", dizia ele ao policial. Um dia, ele foi convidado por um outro rapaz da nossa quadra, que chamaremos de R, para tomar banho na piscina de um colégio, lá pelo lado da L2. Estavam muito bem, falando merda na água, quando apareceu o segurança do colégio querendo saber o que faziam ali. R disse que era sócio da piscina e C seu convidado. O segurança era um sujeito de uns 50 anos, magro, alto, ex-militar em muito boa forma, que disse: "Ok, você eu conheço R, mas você sabe, não é permitido tomar banho aqueles que não são sócios. Peço que seu amigo saia da piscina imediatamente!"
C esquentou, saiu da água cheio de imprecações: "Tá pensando o quê, ô coroa! Eu te encho de porrada!" O milico só limitou a aplicar-lhe um violento "telefone" e C caiu desmaiado ali mesmo. Foi socorrido pelo próprio segurança.

A vida é bem mais feia e complicada do que nos filmes, romances e quadrinhos.

Terminam aqui as minhas reminiscências por hoje.

Deixo com vocês um desenho encomendado e já entregue faz tempo.


Fiquem todos bem








segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

ANO NOVO, HÁBITOS VELHOS.



Sim, o ano de 2018 já coloca o pé no acelerador, é dia 8 e parece que o rompimento foi ontem a noite. É sempre assim, ao findar de um calendário todo mundo reflete sobre o tempo que passou e promete a si mesmo acertar no alvo que não foi possível na temporada anterior, uns querem ser mais pacientes, tolerantes, menos apressados, outros prometem que vão fazer mais exercícios, que vão emagrecer, pensar mais antes de tomar decisões ou não pensar ao decidir....bem, a questão é que funciona apenas no começo, depois de uma semana - ou menos - começam a fazer as mesmas besteiras de sempre. Não adianta, o paraíso não é aqui, ele é utópico. Bem, pelo menos pra maioria das pessoas (é o que tenho notado ao longo da minha vida).
Eu? Eu nunca me iludi com isto. Claro, não sou imune àquela magia de fim de ano ao abraçar uma pessoa querida e felicitá-la. Não consigo não fazer um balanço de tudo e ver no que posso melhorar a minha vida e mesmo sabendo que é apenas psicológico, eu tento recarregar as baterias e começar o ano novo com o pé direito. Uma coisa peço a Deus: bem aventuranças para minha família e saúde para fazer o meu trabalho e que trabalho não falte. Se a arte é mesmo necessária para não sermos esmagados pela realidade, como já proferiram alguns - e se arte é o meu ofício - eu quero continuar fazendo o melhor possível. De resto, que Ele me dê a minha porção acostumada, ter o que comer, beber, vestir e um teto sobre a cabeça e dou graças.
2018 tem promessas de lançamento de obras minhas, O BICHO QUE CHEGOU À FEIRA (ok, não é só minha, mas minha participação nele é grande) é dado como certo. Já A VIDA E OS AMORES DE EDGAR ALLAN POE, continuo sem certezas. O NCT - NOVOS CLÁSSICOS DO TERROR parece que ainda vai demorar mais um pouco. Cozinho em fogo brando uma nova aventura de Zé Gatão, se consigo terminar este ano é uma incógnita, e se concluir, publicar é uma incógnita maior ainda. É ir batalhando sem esmorecer como sempre fiz; tropeçando sempre ao longo do caminho, mas sem nunca ficar deitado, choramingando derrotas. 

Bem, é o que eu tinha para dizer nesta minha primeira postagem do ano (atrasada, era pra ter escrito ontem!). Vocês continuam comigo? Conto com isto.

Beijos nas gatas, um abraço nos gatos e fiquem com os esboço para uma comissão (já realizada) do Fantasma.


Até semana que vem, querendo DEUS!